Arquivo para julho 2009

Baleias no Brasil? Onde?

julho 16, 2009

Foto: Instituto Baleia Jubarte

Foto: Instituto Baleia Jubarte

Pois é, muita gente não sabe, mas esse turismo que cresce no mundo todo, também é bem desenvolvido no Brasil e merece mais atenção por parte da sociedade.

Apesar de incipiente, a modalidade rende mais de 1 bilhão de doláres por ano e é um dos contra-argumentos para a atividade de caça comercial de baleias, que é um absurdo nos dias de hoje. Ou seja, a baleia vale muito mais viva do que morta, não só para agradar aos nossos olhos, como também os bolsos.

Você já saiu para observar uma baleia? Se não, aproveite a temporada que já se iniciou aqui no Brasil e não irá se arrepender. Além de você estar contribuindo com a atividade de turismo sustentável, as baleias têm uma espécie de “poder” enigmático que atrae e sensibiliza pessoas ao redor do mundo todo. Sem dúvida alguma, você jamais esquecerá desses momentos.

Então, aproveite a temporada e siga direto para algum canto da costa brasileira.

No Nordeste, já existem alguns operadores de turismo de observação de baleias, e que tem o apoio do Instituto Baleia Jubarte.

Lá você poderá acompanhar incríveis comportamentos de fêmeas com filhotes, saltos, batidas de cauda, batidas de peitoral e tudo isso em uma atmosfera baiana deliciosa, com calor e sol nesse inverno paulistano. Você ainda pode optar por ver baleias no maravilhoso Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, na Praia do Forte (que está quase virando área marinha protegida) ou ainda na região costeira de Salvador mesmo.

Jubarte com a cidade de Salvador ao fundo. Foto: Instituto Baleia Jubarte

Jubarte com a cidade de Salvador ao fundo. Foto: Instituto Baleia Jubarte

Você também pode ir ao Sul do Brasil, na região de Santa Catarina para observar as baleias Francas. Onde há mais de 20 anos atua o Projeto baleia Franca. E ali, até da costeira é possível observar fêmeas com filhotes, bem próximo e que basta um binóculo para poder observar.

Um outro lugar, ainda não tão garantido, é o Parque Nacional Marinho da Laje de Santos, bem próximo daqui, onde é possível obsrevar as baleias-de-Bryde, espécie rara e pouco estudada, que ocorre principalmente no verão e primavera, no entorno das ilhas na região de São Paulo e Rio de Janeiro. O pessoal do Projeto Baleia de Bryde/CEMAR vem estudando essa espécie há mais de 7 anos, e tem encontrado resultados relevantes à conservação da espécie.

Também não posso deixar de dizer que a atividade do turismo de observação de baleias, só funciona se respeitadas as normas de segurança e não-molestamento dos animais. A Lei Federal 7.643/87 e a Portaria IBAMA 117/96, além da Instrução Normativa IBAMA 102/06 que se aplica à Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca, que garantem a proteção das baleias contra perturbações indevidas.

Então, o que você está esperando para se programar????

É a realidade da carcinicultura…é tudo mentira

julho 14, 2009

É, esse filme é perfeito, para aqueles que ainda acreditam que é possível autorizar a criação do camarão em zona costeira.

Vale a pena assistir!

Carne de baleias??? Eu tô fora!

julho 13, 2009

A UOL noticias publicou hoje um vídeo sobre o consumo de carne de baleia no Japão. O vídeo, aparentemente, não assume uma postura contra ou a favor da atividade de caça, mas tende a mostrar pratos originais e tradicionais feito com carnes de baleia.

Infelizmente, a ferramenta grátis do wordpress não permite a inserção de vídeos em flash, então, cliquem no link acima, e assistam no canal UOL de notícias.

Atualmente, sabe-se, segundo pesquisa encomendada pelo Greenpeace, que 71% da população japonesa não concorda com a caça de baleias em região Antártica, e ainda não consome mais a carne. Motivo pelo qual, mais de 4000 toneladas dessa carne está estocada em freezers no Japão sem destino algum.

Houve uma época, que muito dessa carne era doada às creches e orfanatos públicos, no entanto, muitas crianças estavam ficando doentes, e a doença atribuída a contaminação através do consumo de carne de baleia.

Enfim, antes de 1992, quando aconteceu a reunião ECo-92 raramente ouvia-se falar em meio ambiente. Apesar de pouca prática a palavra ganhou elegância e parece que tornou chique falar em sustantabilidade e meio ambiente, ainda que muitos não saibam o que ela realmente significa.

Atualmente, chique e elegante é saber como o nosso poder de consumo pode influenciar as ações de exploração dos recursos naturais. Então, bora lá, pensarmos antes mesmo de consumirmos, por um planeta saudável.

Trators Joes – não destrua os oceanos

julho 3, 2009

GP01GKX

O time de oceanos do Greenpeace Estados Unidos lançou uma campanha para pedir que o Traders Joe pare de vender espécies ameaças. Eles vendem mais de 15 espécies ameaçadas.

O site está bem divertido. Você pode gravar uma musiquinha e ainda assistir a “peixa” winehouse cantando ….

Vale muito a pena!

Aquecimento global ja está virando cartoon

julho 3, 2009

cartum1

O cartunista carioca Léo Valença reuniu outros 25 artistas para falar sobre aquecimento global usando o humor dos cartuns. Agora, pretende editar um livro reunindo todas ilustrações. Conheci o trabalho dele no Blog do Planeta.

O melhor de tudo isso, é que o cartoon usado para conscientizar, está mostrando que a poluição e o lixo nas praias, é também prejudicial para o aquecimento global e para a proteção dos oceanos. Afinal, os oceanos tem a capacidade de produzir 50% do oxigênio que respiramos, e de absorver até 30% das emissões gerados por nós. Acho que eles merecem alguma consideração.

É um museu, porém da corrupção

julho 3, 2009

Um grande amigo esses dias me deu a dica, e eu achei a idéia muito interessante.

De forma criativa,  são apresentados fatos políticos e economicos, que ocorrem muitas vezes longe de nossos olhos.

É um museu. Com grandes novidades.
Com um lápis na mão e muitas ideias na cabeça o premiado arquiteto mineiro Rodrigo de Araújo Moreira “ergue” o Museu da Corrupção sob o princípio da contemporaneidade: dotado de muitas salas e auditórios, o espaço virtual será permanentemente abastecido com os fatos do dia.

Faça uma visita ao museu, e contemple as façanhas realizadas em Brasília.